Condições de pagamentos, segurança de dados e transparência são pontos-chaves para as empresas aproveitarem a data da melhor forma

Uma das datas mais esperadas para o comércio, a Black Friday, se aproxima. Assim como nos anos anteriores, esse dia será muito importante para que os lojistas e prestadores de serviço possam realizar promoções para alavancar as vendas. Com a flexibilização dos protocolos de distanciamento social e avanço da vacinação, as expectativas são positivas para o comércio neste final de ano.

Segundo uma pesquisa realizada pela FCDLESP – Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo, estima-se que neste ano as vendas tenham um aumento em torno de 5%.  O cenário é de muito otimismo porque acredita-se que há uma demanda reprimida, tanto para as vendas nos pontos de venda físicos quanto no digital.

Para especialistas, a necessidade de vender e correr atrás dos prejuízos amargados por conta da pandemia vai favorecer a todos. Porém, é preciso que empreendedores e gestores se atentem a alguns aspectos e tomem alguns cuidados para oferecer a melhor experiência aos consumidores. Confira abaixo.

Segurança dos dados e informações da empresa e clientes

A segurança dos dados é uma das principais preocupações das empresas e consumidores digitais. Como grande parte do volume de tráfego durante datas comemorativas acontece na nuvem, dado o benefício de aumentar a capacidade do site ou loja digital de acordo com a demanda, a atenção com a segurança da nuvem é essencial. “A expectativa dos consumidores é que seus dados estejam protegidos. Por isso, as empresas precisam implementar controles e corrigir vulnerabilidades que representem riscos de cibersegurança de forma proativa, e  com uma grande quantidade de dados pessoais e sensíveis da nuvem, além de ser um ambiente em constante mudança, é quase impossível fazer isso manualmente”, explica Henrique Vaz, CEO da CleanCloud, startup brasileira especializada em cloud security que tem como diferencial ser a  única com verificações de conformidade com a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) e o Bacen (Banco Central do Brasil) nas principais nuvens públicas (AWS, Azure e Google Cloud). 

Confiança e transparência 

Segundo Tiago Serrano, CEO e cofundador da SoluCX, principal empresa de pesquisa de satisfação e NPS do Brasil, a sinceridade com o cliente é imprescindível para que não haja desentendimentos, evitando, assim, que um cliente que tenha passado por uma experiência ruim com a marca não se torne detrator. “O importante é o cliente saber o que vai acontecer. Seja transparente com ele, pois ele está esperando um padrão e você precisa ser sincero que talvez esse padrão não seja cumprido por algum motivo. Existe público para todos os produtos, mas é preciso sempre ser honesto. É possível conciliar boas promoções e bons preços com boas experiências, mas para isso é necessário estruturação e planejamento. Saiba o que você quer fazer”, comenta. 

Para ele, é necessário ter cuidado com as estratégias, que precisam ser feitas com transparência. “O cliente percebe quando aquilo é feito com a intenção de enganá-lo e automaticamente isso resulta em uma experiência negativa. As grandes marcas tomam muito cuidado com a imagem e trabalham para não oferecerem experiências ruins para o cliente, mesmo que por acidente”, diz.

Preparar o estoque para a data

Planejamento é a chave do negócio para se fazer uma boa Black Friday e oferecer corretamente tudo o que quer oferecer. “Toda a empresa precisa estar preparada, principalmente a área Comercial. A área de Tecnologia também é crucial nesse momento para que dificuldades técnicas possam passar longe ou sejam reparadas rapidamente. Os responsáveis pela Operação precisam estudar como será a necessidade de atendimento ao cliente e tomar as medidas necessárias para atender essa demanda”, explica Serrano.

Experiências cada vez mais próximas

A Black Friday também é um ótimo momento para que as grandes marcas e empresas criem experiências positivas de atendimento e, assim, possam fortalecer o relacionamento com seus clientes. Para Rodrigo Ricco, CEO da Octadesk, principal software de comércio conversacional do Brasil, certas ferramentas como o chatbot, por exemplo, podem ser um diferencial no atendimento ao público. “Os chatbots são hoje uma das maiores tendências do mercado para a comunicação entre empresas e clientes. De todas as suas vantagens, a maior delas é a praticidade e agilidade no atendimento, principalmente em épocas de grande volume de interações, como a Black Friday. Mesmo com a pandemia da Covid-19 e a crise econômica, a intenção de compras para a data se mantém alta e isso traz boas expectativas para as empresas, principalmente no comércio eletrônico”, pontua Rodrigo.

Condições de pagamento

Provu, fintech de meio de pagamento e empréstimo pessoal, leva ao e-commerce um novo método de recebimento: o Provu Parcelado. Seguindo o Buy Now Pay Later, que está em crescimento no mundo, o produto que se assemelha ao crediário, mas totalmente digital, tem baixa taxa de juros e é ideal para os lojistas que podem oferecer aos seus clientes mais uma forma de pagamento. Isso ajuda na conversão de novos clientes, principalmente em períodos como a Black Friday, e a aumentar o tíquete médio de compras, já que é possível cativar um novo tipo de consumidor – os que não utilizam cartão de crédito ou desbancarizados,que  corresponde a mais de 30% da população. 

“Quando pensamos na Black Friday, pessoas que não têm cartão de crédito para parcelar suas compras acabam recorrendo a lojas específicas para conseguir um crediário ou até mesmo a cartões de terceiros, e assim ficam muito mais limitadas a meios de pagamento tradicionais e não aproveitam os descontos. O Provu Parcelado, além de trazer autonomia para esse consumidor, aumenta as possibilidades de compras do brasileiro e as vendas no período”, complementa Marcelo Ramalho, CEO da Provu.

Celeridade ao processo de análise de crédito

Segundo o economista-chefe do Vadu, os consumidores esperaram o mercado dar sinal de recuperação para restabelecer minimamente a confiança no consumo durante a Black Friday. Além disso, tem ainda o já tradicional impulso do décimo terceiro e dos programas de substituição e complementação de renda. 

“O desafio agora é dar celeridade ao processo de análise de crédito e não perder a oportunidade das vendas programadas e também nas de impulso. Cada vez mais, não existe espaço para o famoso “vamos passar a sua ficha.” O consumidor moderno precisa de agilidade, de soluções. Entraves burocráticos e formalizações perdem espaço para agentes facilitadores das transações. E é justamente neste cenário que a automação de processos ganha importância”, afirma o economista-chefe do Vadu, Ubiratan Lima.

Todos a postos

Para Tiago Tadeu, Head de Vendas da Intuit Quickbooks, apesar de ser tradicionalmente associada ao comércio varejista, a data também é extremamente relevante para o setor de serviços. “A cada ano que passa, acompanhamos mais empresas do segmento de Serviços aderindo ao momento de Black Friday e criando promoções. Independente do ramo de atuação, ter conhecimento sobre a situação financeira da empresa é fundamental para conseguir aplicar descontos que tragam lucro e não prejuízo para o negócio”, comenta.

No entanto, é preciso estar  preparado.  No final de semana da Black Friday, os acessos, visitas, chamados e demanda aumentam por inteiro. Ainda mais se você fizer promoções. “É importante treinar e preparar seu time para um crescimento abrupto na carga de trabalho durante o período”, explica Tadeu.   

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *